Sabana Yegua
4141
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-4141,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,qode-wpml-enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-4560

Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas

Sabana Yegua

Dados Gerais

  • Nome: Floresta Modelo Sabana Yegua
  • Local: Serra Central
  • Superficie: 166,000 Ha
  • Ano de filiação à RIFM: 2003

Informação de contato

Paisagem

Aspectos biofísicos

 

A área da Floresta Modelo Sabana Yegua (FMSY) abrange a área da Bacia Superior da Barragem Sabana Yegua, que compreende 166.000 ha e está dividida em três sub-bacias principais: a dos rios Yaque del Sur (39.398 ha), Grande del Medio (68.913 ha) e Las Cuevas (58.574 ha), ao sul da Cordilheira Central da República Dominicana. A área total da FM representa 48% da superfície da zona alta de Sabana Yegua distribuída em dois Parques Nacionais, onde se encontra a maior parte do pinhal nativo (Pinus ocidental). Vale ressaltar o alto impacto dessas áreas devido à presença de comunidades que se desenvolveram dentro dos Parques. As florestas de pinheiros da ilha são consideradas de alta prioridade de conservação na América Latina.

 

A flora e a fauna da área não foram adequadamente estudadas para gerar uma lista de espécies por categoria. No entanto, há informações de áreas adjacentes ao norte da bacia superior de Sabana Yegua que confirmam a presença de aves endêmicas (Coereba flaveola, Cardelius dominicensis e Nesoctites micromega) e aves migratórias ameaçadas, como Catharus bicknelli e Dendroica tigrinum, indicando que essas espécies se refugiem na sombra dos cafezais. Com base nessas informações e considerando que foi estimado um índice de endemismo de 30% para o país, podemos inferir (ou assumir em benefício do meio ambiente) que uma importante biodiversidade pode ser encontrada entre os cafezais, dentro dos parques nacionais, e/ou em povoamentos inacessíveis de floresta latifoliada. As florestas de pinheiros (P. occidentalis.) da Hispaniola são listadas por Dinerstein et al. como a maior prioridade para a conservação na América Latina.

 

Aspectos sócio-culturais e econômicos

 

Na bacia superior ha 60.000 habitantes concentrados em mais de 100 comunidades consolidadas, e dispersos em 159 áreas rurais denominadas parajes. Entre 80-100% dos domicílios vivem na pobreza, sem serviços de eletricidade em sua maioria. A taxa de analfabetismo é de 40%.

 

47% da área está desmatada (quase 100% da área fora das áreas protegidas) sendo dedicada a atividades agrícolas, que causam um alto grau de erosão e que contribuem para a diminuição da fertilidade dos solos. A única camada de árvores nesta área é devido à produção de café (3.656 ha / 2,2%). Os agricultores produzem culturas de subsistência, como feijão, feijão-guandu (Cajanus spp.), bananas e bananas-da-terrra, entre outras culturas tradicionais. Caprinos, ovinos e bovinos são os principais rebanhos. As mulheres criam galinhas e ovos para venda ocasional ao longo da estrada. Os produtos agrícolas produzidos nas encostas são cultivados para serem comercializados através de intermediários que oferecem preços baixos. Em inúmeros estudos realizados na área, os moradores da bacia superior demonstram interesse em trabalhar e ter uma renda segura, por isso, como não a possuem, são obrigados a trabalhar mais e buscar mais encostas para cultivar. Quase toda a população que vive na área da floresta modelo está engajada na atividade agrícola como principal meio de obtenção de renda. Os serviços de eletricidade, irrigação e água para uso doméstico fornecidos pela barragem de Sabana Yegua são considerados fundamentais para o desenvolvimento econômico das províncias do sudoeste dominicano.

Associação

Os acordos institucionais dentro da área de influência da bacia superior de Sabana Yegua são numerosos. As principais associações são baseadas em papéis e mandatos oficiais, por grupos de interesse especial e por grupos de interessados, ou seja, grupos que entram diretamente no debate sobre conflitos de uso da terra na bacia superior.

 

A Fundación Sur Futuro e seu principal parceiro, a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Naturais, são considerados patrocinadores. Os outros parceiros foram identificados por seu papel nas atividades conflitantes. A lista a seguir apresenta potenciais parceiros da FMSY:

  • Secretaria de Estado do Ambiente e Recursos Naturais; Subsecretaria de Recursos Florestais
  • Secretaria de Estado do Ambiente e Recursos Naturais; Subsecretaria de Solos e Águas
  • Secretaria de Estado do Ambiente e Recursos Naturais; Subsecretaria de Áreas Protegidas e Biodiversidade.
  • Instituto Nacional de Habitação
  • Secretaria de Estado de Obras Públicas
  • Secretaria de Estado de Agricultura
  • Corporação Dominicana do Café (CODOCAFE)
  • Instituto Dominicano de Estudos Agrícolas e Florestais (IDIAF)
  • Municípios de San Juan de la Maguana, Padre Las Casas, Peralta, San José de Ocoa e Constanza
  • Junta para o Desenvolvimento de San José de Ocoa
  • Fundação Progressio
  • Representação de Pecuaristas
  • Representação de Produtores de Hortaliças
  • Representação de Produtores Agrícolas, incluindo agricultura migratória.
  • Representação da Mulher

 

Em termos de gestão, para ser coerente com as iniciativas de gestão de bacias hidrográficas promovidas pela Subsecretaria de Solos e Águas nas demais bacias hidrográficas do país, a estrutura de governança da floresta modelo é produto de um processo de negociação com os setores interessados. A estrutura tem três níveis. O nível de base é composto por representantes setoriais e donas de casa integrados em um comitê local, 12 comitês locais que representariam aproximadamente 10 comunidades cada. O nível intermediário é composto por representantes dos comitês ou núcleos locais que enviam 2 ou mais membros para uma assembleia composta por 30 a 40 membros. O nível executivo é caracterizado por um conselho de aproximadamente 7 membros, incluindo representantes permanentes e rotativos.

Sustentabilidade

O Plano Maestro é uma iniciativa de desenvolvimento multidisciplinar de 15 anos que fornecerá recursos e assistência técnica a mais de 100 comunidades em 159 localidades com programas integrados em: a) manejo florestal, b) agrofloresta, c) controle de erosão, d) proteção florestal, e) desenvolvimento comunitário, f) fortalecimento institucional, e g) extensão e capacitação. O programa Floresta Modelo complementa a implementação do Plano Maestro, trazendo para esta iniciativa os princípios dos usos múltiplos com a criação de estruturas de gestão participativa e de manejo florestal sustentável.

 

As atividades realizadas na floresta modelo contam com o apoio da Fundação Sur Futuro e da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Naturais. Atualmente, o Plano de Gestão da Bacia de Sabana está sendo executado com o apoio técnico e financeiro da Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) e está próximo de iniciar outro destinado a promover políticas e mecanismos de financiamento contemplados pelo GEF. Há também um projeto de desenvolvimento baseado em jovens financiado pela Fundação Kellogg.

 

Em 2004, o Governo da República apresentou ao GEF o Projeto “Recuperação da Degradação das Terras Altas de Sabana Yegua”. Com duração de 5 anos, e apoio Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o projeto foi executado pelo país através do GEF e da Fundação Sur Futuro. Entre as estratégias que se pretende executar ao nível florestal do plano de implementação estão:

  • Manutenção de florestas existentes
  • Execução de reflorestamento de terras públicas
  • Execução de reflorestamento de terras particulares
  • Execução de gestão adequada às condições locais e ao meio ambiente.

 

Entre os principais problemas que a região enfrenta, destaca-se que a barragem de Sabana Yegua se destina a fornecer água para irrigação, consumo doméstico e eletricidade às províncias mais secas e pobres do sudoeste do país. Mais de 61.000 pessoas dependem da barragem para o seu desenvolvimento, no entanto há um importante processo de sedimentação a uma taxa de 1% ao ano, tendo perdido 17,2% da sua capacidade total de armazenamento até à data, devido à degradação e desertificação das terras nas zonas altas.

 

Além disso, os seguintes fatores foram identificados como as principais causas e efeitos da degradação da terra na zona alta de Sabana Yegua: 1) uso indevido da terra; 2) práticas de produção inadequadas e; 3) infraestrutura rodoviária.

Elemento Chave

Primeira Floresta Modelo da República Dominicana

Outra informação