Risaralda
3850
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-3850,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,qode-wpml-enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-4560

Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas

Floresta Modelo

Risaralda

 

Colômbia

Localização

Departamento de Risaralda

Extensão

359 000 ha

 

POPULAÇÃO

943 900

 

Ano de adesão à RLAFM

2008

CONTATO

 

John Mario Rodríguez

Gerente

john.mario.rodriguez@utp.edu.co

Anna Morales

Secretária técnica

annamorales@utp.edu.co

Antecedentes

¿Por que foi criada a Floresta Modelo Risaralda?

 

A Floresta Modelo de Risaralda (FMR) surgiu como resposta ao interesse em escalar nacional e internacionalmente as ações sinérgicas que são realizadas no departamento de Risaralda e que têm como foco o desenvolvimento sustentável. Risaralda tem uma história de mais de 25 anos fomentando um modelo participativo de gestão ambiental territorial, e seu reconhecimento como Floresta Modelo deu-lhe a possibilidade de realizar ações das organizações do território e ações conjuntas em torno dos objetivos e princípios das florestas modelo.

 

 

¿Como foi concebida a iniciativa?

 

Os primeiros passos foram dados quando a Universidade Tecnológica de Pereira propôs à Corporação Autônoma Regional de Risaralda CARDER apresentar a candidatura do Departamento de Risaralda como Floresta Modelo. Da mesma forma, a iniciativa foi acompanhada pelo Governo do Departamento e o Comitê Departamental de Cafeicultores. Algumas dessas organizações compõem o Grupo Gestor, ao qual se agregam novos aliados ao longo dos anos.

Paisagem

¿Qual a sua diversidade biofísica?

 

A FMR inclui todo o departamento de mesmo nome e está imersa na Ecoregião do Eixo Cafeteiro, definida como tal por seu ecossistema e particularidades culturais Localizado na região andina, o departamento abrange desde o flanco ocidental da Cordilheira Central, com alturas máximas acima de 5.000 metros acima do nível do mar, até a parte média do flanco ocidental da Cordilheira Ocidental, incluindo os vales aluviais dos rios Cauca e Risaralda. Politicamente, o departamento está dividido em 14 municípios, mas nele se definem 3 sub-regiões (I, II e III), diferenciadas por suas características biofísicas, econômicas e socioculturais.

A paisagem da FMR pertence ao Hot Spot Andes Tropicales, ou também denominado Hot Spot Tumbes-Magdalena, e faz parte de vários corredores regionais de conservação. 36% do território está sob diferentes formas de proteção, conservando grande parte dos ecossistemas e a diversidade biológica neles encontrada. A FMR possui 165.934,7 ha de floresta natural e/ou secundária (56,3% na sub-região III), onde foram identificadas deficiências nos sistemas de colheita utilizados pelas comunidades. A sub-região I abriga grandes cidades, áreas protegidas e a bacia do rio Otún, e suas terras são de médio a alto valor e serviços ecossistêmicos. Na Sub-região II, onde está localizada a bacia do rio Risaralda, predomina a zona agrícola e suas terras têm médio e alto valor comercial e serviços ecossistêmicos. A sub-região III abriga comunidades indígenas e afrodescendentes, possui grandes reservas de florestas tropicais úmidas e terras de baixo valor comercial e alto valor de serviços ecossistêmicos.

 

 

¿Qual é a sua diversidade sociocultural e económica?

 

A maioria da população vive na área urbana (77,2%), onde também se concentram as indústrias metalúrgicas, de vestuário e de serviços. A população da Sub-região II é principalmente camponesa, onde predominam as culturas de café e, em menor grau, cacau, abacaxi, cana-de-açúcar e árvores frutíferas. A sub-região III é a menos povoada, com aproximadamente menos de 3% da população (indígenas e afrodescendentes). O Bosque Modelo de Risaralda também pertence à Paisagem Cultural do Café, designada Patrimônio Cultural da Humanidade.

 

Atualmente, os setores econômicos que mais têm contribuído para o crescimento econômico de Risaralda nos últimos anos são construção, transporte e comunicações, administração pública e eletricidade, água e saneamento. O setor de serviços vem crescendo, com importantes empresas se instalando em sua zona franca e logística. A agricultura é composta por cerca de 35 tipos de culturas, entre permanentes e transitórias, sendo a mais representativa o café, que, historicamente e até hoje, é o principal produto que gera renda e exportações para o departamento. Por outro lado, também tem sido promovida outras culturas como a cana-de-açúcar e produção de rapadura, como alternativa para o desenvolvimento da população mais pobre da região. Da mesma forma, as atividades pecuárias são desenvolvidas nas diferentes sub-regiões. A cadeia florestal participa com 6,7% da economia do Departamento. Cerca de 40 espécies madeireiras são legalmente extraídas das florestas naturais, dentre as quais se destaca a guadua, com a qual são construídas casas, móveis e artesanato. Por sub-regiões, os movimentos legais de madeira acontecem 64% na sub-região I, 27% na sub-região II e apenas 9% na sub-região III. Outros usos não madeireiros dos recursos florestais são para uso artesanal, ornamental, alimentar, farmacêutico, medicinal, construção e combustível.

Alianças


 

Visão

Até o ano de 2037, a Floresta Modelo de Risaralda será um território reconhecido nacional e internacionalmente por sua integridade ecológica e identidade cultural, com processos de gestão ambiental participativos e inovadores que apoiam o desenvolvimento socioeconômico e a competitividade da região.

 

Missão

Somos reconhecidos como Floresta Modelo Risaralda por ter cenários participativos de gestão ambiental do território que nos permitiram ter 36% do departamento sob diferentes figuras de proteção. Buscamos ecossistemas parceiros ecologicamente sustentáveis e economicamente rentáveis, com oferta de bens e serviços ecossistêmicos, em prol da qualidade de vida dos habitantes da região.


 

¿Quem compõe a Floresta Modelo Risaralda?

 

A FMR é uma aliança de atores voluntários que representam as forças ambientais, sociais e econômicas da região. Essas instituições trabalham para que, a partir do Direcionamento Estratégico proposto, seja gerada uma visão compartilhada sobre o manejo sustentável da Floresta Modelo com todas as partes interessadas.

 

 

 

¿Como são tomadas as decisões?

 

A proposta de governança da FMR é composta por 3 níveis: 1) Conselho de Administração É a equipe representada por membros das instituições que compõem o Conselho de Administração da FMR Deve reunir-se regularmente e definir questões estratégicas; 2) Comitê de Partes Interessadas. Composto por representantes de todas as partes interessadas e responsável por supervisionar os programas e garantir que os planos anuais sejam implementados conforme estabelecido pelo comitê; 3) Comitês técnicos ou consultivos. Composto pelos líderes dos programas de FMR ou projetos centrais. Eles permitem ajudar a criar e manter um pacote integrado e um centro para programas e projetos , e podem obter conhecimentos e recursos adicionais de suas organizações locais. Além disso, a FMR deve ter uma pessoa que apoie permanentemente as iniciativas, inclusive de gestão, o que sugere que seja um estagiário universitário contratado por uma das instituições que compõem o Diretório Regional, mas com recursos de todos.

 

 

¿Quem compõe o Conselho de Administração ou Grupo de Gestão?

 

Sustentabilidade


Objetivos estratégicos

 

OE1: Sustentabilidade socioambiental da Floresta Modelo Risaralda.

OE2: Sistema de gestão da Floresta Modelo Risaralda.

OE3: Desenvolvimento do conhecimento.


 

¿Quais ações a Floresta Modelo realiza?

 

Formação e troca de experiências

 

Projecto RESTAURacción (2021),em parceria com o Governo do Canadá, a Universidade Tecnológica de Pereira, CARDER, o Governo de Risaralda, SOLIDARIDAD, Aguas y Aguas de Pereira e o Comitê Departamental de Cafeicultores. o Projeto visa o desenvolvimento de ações de restauração na bacia do rio Otún por meio de pesquisas colaborativas, buscando promover o trabalho colaborativo e fortalecer a voz de mulheres, meninas e meninos nos processos de restauração e gestão de paisagens degradadas na FMR. Para o qual é executado um programa de protagonismo feminino (Tángara Multicolor), o laboratório vivo Vigias del Otún, voltado para homens e mulheres, que busca sensibilizar meninos e meninas com a estratégia florestal escolar, fornecendo conhecimentos básicos para a restauração e manejo sustentável de paisagens,

 

Ciência cidadã em adaptação às mudanças climáticas (2018),em parceria com Comunidades Cafeeiras, CATIE, Universidade OCDC net; alcançar o fortalecimento das comunidades cafeeiras nas estratégias de adaptação às mudanças climáticas com uma abordagem de ciência cidadã.

 

Processos de gestão territorial e fortalecimento da governança

 

Análise de redes sociais na tomada de decisões,em coordenação entre o Grupo de Gestão e aliados locais.

 

Fortalecimento do Sistema Departamental de Áreas Naturais Protegidas SIDAP (Desde 2019), uma organização de segundo nível criada e apoiada por organizações como CARDER e cidadãos do SIDAP,

 

Planos de Gestão de Bacias do POMCAS,em aliança com os municípios das bacias da FMR. Existem 4 POMCAS aprovados e em processo de implementação.

 

Projetos de desenvolvimento sustentável

 

BanCO2 (Desde 2017),em aliança com o Comitê de Cafeicultores, Bancolombia e Comunidades Cafeeiras; concretizar a implementação de um programa de pagamento por serviços ambientais que tem permitido às empresas, instituições e cidadãos que pretendem compensar a sua pegada de carbono, fazê-lo através do Portal Web www.banco2.com,sendo os primeiros a concretizar a implementação da microbacia La Esmeralda .

 

 

Impactos

Impactos no capital social

 

Articulação de atores, sinergia e trabalho em equipe

 

Os atores da FMR formaram redes em muitos setores: conservação, produção agrícola; produção industrial; academia. A forma de atuar em redes é uma grande conquista em direção à resiliência.

 

Impactos no capital humano

 

Fortalecimento das capacidades locais

 

Os atores constroem propostas e projetos com foco em processos, o que significa que pensam no longo prazo, de forma sistêmica.

 

A FM aprendeu a gerar fortes laços com atores sociais e institucionais internacionais, o que se traduziu em um grande número de projetos e processos que apoiam o desenvolvimento sustentável

 

Desafios

  • Garantir o funcionamento da FMR com uma abordagem organizacional inovadora, sistêmica e resiliente.

 

  • Garantir que o conhecimento flua livremente entre todos os cidadãos da FMR e apoie-os na tomada de decisões.

 

  • Fortalecer os cidadãos para manter e aumentar os índices de progresso social (IPS).

Outra informação