Futaleufú
3820
page-template-default,page,page-id-3820,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,qode-wpml-enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-4560

Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas

Floresta Modelo

Futaleufú

 

Argentina

Localização

Municípios de Esquel, Trevelin e Cholila, província de Chubu

Extensão

738 000 ha

 

POPULAÇÃO

55 000

 

Ano de adesão à RLAFM

1998

CONTATO

 

Juan Manuel Peralta

jpturismo@yahoo.com.ar

Antecedentes

 

¿Por que a Floresta Modelo Futaleufú foi criada?

 

A Floresta Modelo Futaleufú (FMFu) está localizada na ecorregião da floresta andina patagônica, uma área chave para a conservação de espécies da flora de alto valor natural e ecológico, como os antigos bosques de alerces (Fitzroya cupressoides), que podem chegar a 3.000 anos, e com espécies da fauna que foram designadas como monumento natural, como o cervo de Huemul. Da mesma forma, as cadeias de geleiras, lagos e rios representam um tesouro inestimável de água doce para o nosso planeta. As comunidades de povos indígenas que habitam a FMFu, por sua vez, também são um aspecto fundamental, com elementos tangíveis e intangíveis, sendo que a cultura Mapuche-Tehuelche ali presente representa um patrimônio notável para a preservação. Por fim, é muito importante destacar a posição da população local contra megaprojetos de mineração para extração de minerais como ouro e prata.

 

¿Como foi concebida a iniciativa?

 

A proposta de criação da FMFu foi apresentada à Diretoria de Recursos Florestais Nativos da Nação, entidade responsável pelo Programa Florestas Modelo na Argentina, em novembro de 1996, tornando-se a primeira FM do país. Os primeiros passos foram a incorporação das sugestões do comitê de avaliação, e em março de 1997 foi realizado um workshop para compromissar a futura participação dos parceiros. Também foram utilizados instrumentos de consulta, como reuniões em grupo e individuais em várias instituições (CIEFAP, Prefeitura de Trevelin, Prefeitura de Cholila, INTA, IAC, Fundación Educándonos e Universidade da Patagonia), pesquisas individuais de membros e reuniões temáticas sobre o desenho de um SIG específico para a FMFu. Durante o processo de formulação, foram feitas apresentações públicas sobre o estado de progresso (com a metodologia Seminário-Oficina), alguns parceiros participaram de uma Oficina sobre indicadores de sustentabilidade organizado pelo INTA-Bariloche para discutir os diferentes métodos em uso e suas possíveis aplicações, além de saídas de campo para identificar dois locais com possibilidade de proteção, devido à sua importância ambiental.

Paisagem

¿Qual a sua diversidade biofísica?

 

Os 738.000 Ha a FMFu incluem o Parque Nacional Los Alerces, declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 2017; e os municípios de Cholila, Trevelin e Esquel, na província de Chubut, que fazem parte da Reserva da Biosfera Andina Norte Patagônica (declarada em 2007), e cuja bacia hidrográfica corresponde à bacia do rio Futaleufú. Representando o ambiente da Floresta Andina Patagônica, cerca de 50% da região total é coberta por florestas espontâneas, com cerca de 375 gêneros de plantas, entre os quais o alerce-da-patagónia (Fitzroya cupressoides) e uma fauna representativa que inclui espécies como o huemul ( Hippocamelus bisulcus ), ambos considerados ameaçados de extinção pela classificação da IUCN; o restante corresponde a áreas de alta montanha, vales com pastagens, clareiras naturais, espaços destinados a cultivos, espelhos d’água, campos de gelo, centros urbanos e estradas. O relevo da região é acentuado, onde os vales têm uma altura média de 500 metros acima do nível do mar, e são limitados por cadeias montanhosas com orientação Norte-Sul com alturas máximas de 2.000 metros acima do nível do mar (Cordón de Maitén, Cordón de Cholila, Cordón de Leleque, Cordón Esquel, Cordón Kaquel). Esta orografia controla a drenagem dos rios Chubut e Tecka (Bacia do Atlântico) e dos rios Percey, Esquel, Corintos e Corcovado (Bacia do Pacífico).

 

¿Qual é a sua diversidade sociocultural e económica?

 

Os quase 55.000 habitantes da FMFu estão alojados em vários assentamentos humanos de diferentes níveis, dentro dos municípios de Esquel, Trevelin e Cholila. Isso se concentra principalmente no centro urbano de Esquel, onde vive mais de 76% da população da região. A presença de comunidades rurais é notável, com povoados de entre 100 e 300 habitantes, entre as principais estão Alto Rio Percy e Nahuelpan (Ejido de Esquel), Los Cipreses, Aldea Escolar, Lago Rosario e Sierra Colorada (Ejido de Trevelin), Villa Lago Futalaufquen (Jurisdição do Parque Nacional Los Alerces), Villa Lago Rivadavia (Ejido de Cholila). Além disso, neste território patagônico existem comunidades mapuche-pehuenche pertencentes ao povo indígena mapuche ou araucanos. A produção tradicional da região é a pecuária e a exploração florestal. . A agricultura é usada principalmente como fonte de alimento para o gado. Atualmente, foram iniciadas as promoções de atividades agropecuárias intensivas, como alho, bulbos de tulipa e criação de peles, etc. A população da região tem um sentido importante de luta e, em 2003 foi realizada uma consulta popular na cidade de Esquel, onde 80% dos eleitores decidiram manter as montanhas e protegê-las de qualquer atividade extrativista. Essa luta – que se tornou um exemplo mundial – continua até hoje, mostrando que a floresta, seus rios, animais, montanhas e geleiras são bem cuidados.

Alianças

¿Quem compõe a Floresta Modelo Futaleufú?

 

Desde 2017, a FMFu sofre as consequências de um contexto político nacional desfavorável, que promoveu o desligamento do Programa Nacional de Florestas Modelo. No entanto, a abordagem e o processo como tal continuam em vigor no território e está para ser feito o trabalho de reativação da plataforma de governação através do Município de Trevelin como principal promotor. . Da mesma forma, a essência da FMFu aponta para o desenvolvimento sustentável por meio de ações que promovem o empoderamento das comunidades locais, visando fortalecer sua identidade. Através de processos de organização, valorização dos elementos culturais e naturais presentes, hierarquização da produção local e da prestação de serviços.

 

 

Trabalha-se fortemente com as comunidades rurais que estão dentro da FMFu, marcando uma maneira de gestão territorial que se refletiu nos projetos gerados nos últimos anos. Ressalta-se que esses projetos foram gerados a partir de propostas da própria população local, seguindo a premissa de que as ideias deveriam vir de dentro das comunidades para fora. E alcançando com isso, um maior sentimento de pertencimento e sustentabilidade ao longo do tempo das ações realizadas.

Sustentabilidade


Objetivos estratégicos

 

OE1: Planejamento para a gestão integrada da FMFu.

 

OE2: Diversificação das atividades econômicas na FMFU.

 

OE3: Extensão e difusão da FMFu.

 


 

¿Quais ações a Floresta Modelo realiza?

 

Processos de gestão territorial e fortalecimento da governança

 

Apoio à criação da área protegida municipal “Laguna Brychan” (desde 2016), em conjunto com o município de Trevelin, por meio de uma série de ações como a formulação do Plano de Valorização da Floresta Nativa e Espécies da Fauna de Laguna Brychan, com o objetivo de responder à necessidade de conservação e sua valorização como espaço de lazer, turismo e educação ambiental, além da criação da primeira unidade de conservação municipal.

 

 

Formação e troca de experiências

 

Formação e Capacitação de Ofícios na Comunidade Mapuche-Tehuelche do Lago Rosário, em parceria com a Fundación Bosques de la Patagonia e financiado pelo Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social da Nação Através de várias reuniões de trabalho com as autoridades comunitárias, foram discernidas as principais áreas em que a população pretendia ser formada, dando prioridade aos cursos de Corte e Costura, Turismo Sustentável, Construção de Adobe e Uso Sustentável da Floresta, bem como cursos transversais de língua mapuche, e comercialização e gestão de vendas; a fim de melhorar as oportunidades de empregabilidade dos membros da comunidade de Lago Rosario e Sierra Colorada.

 

Projetos de desenvolvimento sustentável

 

Projeto “Valor do Conhecimento Ancestral no Uso de Ervas Medicinais na Comunidade de Nahuelpan” (2017), trabalho com comunidades Mapuche – Tehuelche para agregar valor à produção local. Na visão de mundo Mapuche, as pessoas fazem parte da natureza (Mapu=terra; Che=povo) e somos gratos pelos benefícios que a natureza proporciona. Neste contexto, há conhecimento associado ao uso medicinal de plantas que crescem nas montanhas e estepes da província de Chubut. Neste contexto realizou-se um projeto com o grupo de turismo rural comunitário “Tokom Topayiñ” da comunidade Mapuche-Tehuelche de Nahuelpan, onde foi construído um terreno de demonstração para a produção de ervas medicinais e aromáticas que também funcionaria para visitas interpretativas. Também foi trabalhada a identidade visual da empresa Lawen Mapu (através da elaboração de um catálogo de plantas medicinais e seus usos e aprimoramento das embalagens), visando favorecer sua comercialização.

 

 

Turismo rural comunitário (desde 2016). Na FMFu, a produção regional e o conhecimento tradicional são entendidos como atrativo turístico, entendendo que, por trás de um produto tangível, existe um valor simbólico que representa a cultura, a história e a identidade das comunidades; além disso fortalece o sentimento de pertencimento e a identidade local por meio de produtos tradicionais com marca própria. Neste sentido, os visitantes são incentivados a adquirir produtos regionais e serviços turísticos que os habitantes oferecem, ao mesmo tempo que usufruem da natureza e do conhecimento da cultura local, encarando o turismo como uma ferramenta para diversificar a produção agropecuária, valorizar a cultura e contribuir para as economias regionais. Nesta linha, o Dia Mundial do Turismo é realizado anualmente nos municípios de Esquel e Trevelin, em coordenação com a Administração de Parques Nacionais, a Universidade da Patagônia San Juan Bosco e o Governo da Província de Chubut.

Impactos

Impactos no capital político

 

Maior visibilidade das demandas e vozes locais

 

A abordagem da FMFu facilitou o atendimento das necessidades da população, seja para a realização de projetos ou para a gestão da criação de áreas protegidas municipais (como Laguna Brychan).

 

Impactos no capital social

 

Articulação, sinergia e trabalho em equipe

 

Através do envolvimento de diversas instituições e organizações locais e regionais, permitiu-se às organizações que trabalham pelo bem-estar das comunidades encontrar sinergia para avançar em projetos articulados:

 

“Cada um atuou separadamente, [pero], a partir da FM foi encontrada a sinergia. O aldeão que vive na floresta vê uma única figura, que é o profissional”. (Juan Peralta, 2019 – ex coordenador da FMFu).

 

 

Impactos no capital natural

 

Conservação e manutenção dos recursos naturais

 

Mediante a facilitação e apoio na implementação da lei de florestas nativas.

 

Desafios

 

  • Continuar com o processo, que no passado dependia financeiramente de decisões políticas nacionais, com acompanhamento local ou internacional.

Outra informação