Formoseño
3817
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-3817,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,qode-wpml-enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-4560

Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas

Formoseño

Dados Gerais

  • Nome: Floresta Modelo Formoseño
  • Localização: Província de Formosa Ocidental no norte da Argentina na região do Parque Semi-árido Chaqueño
  • Superfície: 800,000 Ha
  • Ano de filiação à RIFM: 2000

Informação de contato

Paisagem

Aspectos biofísicos

A Floresta Modelo Formoseño (FMF) cobre cerca de 800.000 hectares a oeste da província de Formosa, no norte da Argentina, na região do Parque Semiárido Chaqueño, que integra a região fitogeográfica do Gran Chaco Americano. Esta classificação é dada principalmente pelo gradiente hídrico da zona que aqui chega a 690 mm. de precipitação média anual, com uma estação chuvosa marcada, concentrada no verão. O estrato arbóreo apresenta baixo número de espécies, enquanto o estrato arbustivo é denso com abundantes espécies lenhosas.

 

A água é, sem dúvida, a principal limitação nesta região. Uma grande diversidade de flora e fauna caracteriza a área, delimitada ao norte e ao sul por dois grandes rios (Pilcomayo e Bermejo, respectivamente) que formam ecossistemas muito particulares como o banhado “La Estrella” constituído pelo transbordamento do rio Pilcomayo e caracterizado por uma importante reserva de aves, formando assim uma área extremamente interessante para o desenvolvimento do Ecoturismo. Ao sul, às margens do rio Bermejo, fica a Reserva Natural Formosa, reduto de proteção da fauna e flora juntamente com seu ecossistema. Entre ambos os rios está toda a riqueza da floresta do Chaco com exemplares extraordinários de árvores entre os mais destacados Palo Santo, Quebracho Blanco, Quebracho Colorado e uma infinidade de arbustos que juntos constituem uma fonte inesgotável de recursos para os habitantes da região, fornecendo frutas, mel, tinturas e outros benefícios para a vida diária. Trata-se de uma área eminentemente florestal pela qualidade dos produtos que oferece.

 

Aspectos sócio-culturais e econômicos

A FMF tem uma população de cerca de 25.000 habitantes, com uma densidade populacional de 1,8 habitantes por km², e sendo uma área que apresenta altas demandas nas necessidades básicas. A região é étnica e culturalmente rica, na qual coexistem duas etnias indígenas que mantêm intactas suas tradições culturais e linguísticas, da mesma forma que as comunidades camponesas crioulas que se estabeleceram na área no início deste século.

A área da FMF é composta por centros urbanos e comunidades rurais, indígenas e crioulas. A população aborígene é de aproximadamente 10.000 pessoas pertencentes a duas etnias: Wichí e Toba. Os WIchí e os Tobas são etnias de cultura nômade de caçadores-coletores, que se deslocavam de acordo com seu próprio calendário por uma região geográfica específica em grupos ou clãs de relações familiares. Essas migrações estavam intimamente ligadas à água (força motriz da região), à coleta de frutas e à caça.

Atualmente formam comunidades de uma média de 40 famílias que se instalam em grupos, formando comunidades, muitas das quais possuem terras com títulos de propriedade comunitária e estão organizadas em associações civis. As atividades que esses grupos realizam variam de acordo com a sua localização, as comunidades rurais praticam principalmente a pequena pecuária, a agricultura, o artesanato e mantêm uma relação muito próxima com a natureza, que lhes fornece o necessário para sua subsistência, e os grupos urbanos dependem fortemente do trabalho informal para trazer dinheiro para suas famílias.

 

Por sua vez, os colonos crioulos que vieram no início do século das províncias de Salta e Santiago del Estero, se congregam em lugares geralmente compostos por grupos de famílias aparentadas ou em locais isolados, e sua principal atividade é a criação de gado e cabras, e ocasionalmente produtos florestais como lenha, carvão, mourões, etc.

Associação

Os parceiros da organização incluem:

  • Município de Ing. Juárez
  • Comunidades aborígenes
  • Organizações não governamentais
  • Universidade Nacional de Formosa (UNaF)
  • Madeireiros
  • Associação de Pecuaristas
  • Associação de Apicultores
  • Guarda Nacional
  • Parques Nacionais
  • Organismos públicos
  • Associação de Artesãos

 

Atualmente, a Floresta Modelo Formoseño tem uma diretoria composta por: Asoc Civil EPRASOL, Município de Ing Juárez, Guarda Nacional, Parques Nacionais, Conselho Deliberativo de Ing Juárez, Universidade Nacional de Formosa, Asoc. Associação de Pecuaristas e Madeireiros, setor educacional de Ing. Juárez, representantes das comunidades Wichí e membros das comunidades Toba . Todos estes atores participam e promovem diálogo para o fortalecimento da Floresta Modelo. Além do Conselho, uma equipe técnica é formada por profissionais dos setores público e privado.

Sustentabilidade

Os membros da FMF veem como uma das principais atividades, a implantação de projetos de desenvolvimento produtivo, visando a melhoria da qualidade de vida das comunidades da região. A implementação do projeto “Fortalecimento do Desenvolvimento Produtivo da Comunidade” financiado pela Agência de Cooperação Internacional do Japão (JICA) fornece ferramentas eficazes para superar problemas relacionados à saúde e nutrição, ao mesmo tempo em que é uma proposta que inclui o uso sustentável dos recursos florestais e a incorporação de novas técnicas e atividades que contribuem para diversificar a produção das famílias de uma comunidade Toba de aproximadamente 450 pessoas. Suas atividades incluem: abastecimento de água para consumo humano e animal, apicultura, pecuária, produção de carvão, hortas familiares, manejo de florestas nativas com enriquecimento de espécies nativas valiosas e introdução de pastagens.

 

En este contexto se están llevando a cabo un conjunto de prácticas forestales y actividades tendientes a conservar y recuperar los recursos naturales, incorporando un nivel de tecnología apropiado y apropiable para la comunidad beneficiaria, mejorando el sistema productivo actual. Se busca que este modelo sea replicable en otros escenarios o sistemas de iguales características sociales, económicas y naturales en la zona o región.

 

En el presente ya se cuenta con algunos ensayos demostrativos y multiplicadores a partir de experiencias exitosas, como por ejemplo, un huerto frutal en una comunidad Wichí, y un vivero forestal en una comunidad Toba. También se están haciendo ensayos de manejo y enriquecimiento de monte nativo con introducción de pasturas, mejoramiento y manejo de las masas forestales deterioradas de la región y aumento de su receptibilidad ganadera. Estas parcelas están destinadas a convertirse en modelo de manejo en la zona del BMF y ser adoptadas por el pequeño y mediano productor.

 

También y como complemento de los ensayos y demostraciones piloto, el equipo técnico del BMF pretende generar en todas estas actividades material de difusión escrito y audiovisual como forma de llegar al productor y a la vez como material de apoyo en futuros talleres a realizarse sobre el tema.

Elemento Chave

Trabalho com comunidades indígenas Toba e Wichí