Colinas Bajas
4126
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-4126,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,qode-wpml-enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-4560

Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas

Colinas Bajas

Dados Gerais

  • Nome: Floresta Modelo Colinas Bajas
  • Local: Região Nordeste do país
  • Superfície: 1.2 millones Ha
  • Ano de filiação à RIFM: 2014
  • População: 1,5 milhão de habitantes

Informação de contato

Introdução

A importânciada criação da Floresta Modelo Colinas Bajas está no fato de ter sido o único espaço para uma visão regional ampliada, incluindo diversos participantes que atuam no mesmo território. É o primeiro espaço que permite estabelecer objetivos comuns, uma visão conjunta e ações concretas compartilhadas.

 

Esta floresta modelo é “única” nesta região, pelo facto de incluir territórios abaixo dos 450 metros acima do nível do mar, quer sob irrigação, culturas em terras secas e terrenos florestais. Normalmente cada instituição se especializa e se dedica apenas ao seu papel e contexto. Na Floresta Modelo Colinas Bajas eles têm espaço para formar e atuar na visão regional como um todo.

 

Entre osprincipais elementos e principais desafiospara a FM Colinas Bajas estão:

  • Educação e formação de sucessivos líderes para a sua sustentabilidade.
  • Financiamento de atividades, viagens e eventos (sempre limitados em recursos econômicos)
  • Animação e motivação em todos os níveis: devem ser reforçadas

Paisagem

Aspectos biofísicos

 

A região da Floresta Modelo Colinas Bajas abrange cerca de 9.000 km2, no NE da República Dominicana. Corresponde à paisagem geográfica dominada por morros cársticos, no Parque Nacional Los Haitises. Entre as colinas de média e baixa altura estendem-se dois ramos da serra (Norte e Central), com amplos vales de intensa agricultura, principalmente irrigada.

 

As bacias do rio Ozama-Isabela limitam-no a leste e as bacias muito importantes dos rios Yuna e Boba atravessam-no pelo centro e pelo norte, respectivamente.

 

O cultivo florestal, a agroflorestal, e o manejo de florestas secundárias por regeneração foram desenvolvidos em sistemas montanhosos e moderadamente planos nos últimos 30 anos. Tanto a atividade agrícola intensiva ou extensiva, os sistemas agroflorestais (cacau, culturas tradicionais e madeira), como as plantações florestais puras representam o conjunto de itens econômicos importantes para a região.

 

O uso da terra é caracterizado pela agricultura irrigada e de sequeiro e pastagens (42%), cobertura florestal (32%), mineração, urbano, pântanos, entre outros usos. O cultivo de cacau, arroz (sob irrigação), árvores frutíferas (cítricas, abacaxi), silvicultura, banana, entre outros, domina o maior uso da terra. Duas concessões para a mineração de ouro, níquel e prata, assim como outros minerais, estão localizadas nesta região.

 

Várias áreas protegidas estão localizadas dentro do território da Floresta Modelo: Parque Nacional Los Haitises, Parque Nacional Huedales de Ozama, Reserva Científica Loma Quita Espuela, Baía de Samaná e seus arredores, Loma de Guaconejo, mangues costeiros, Serra de Yamasá, entre diversas outras.

 

Aspectos sócio-culturais e econômicos

 

Uma população de mais de 1,5 milhão de pessoas vive e depende diretamente dessa região e as bacias acima do rio Ozama-Isabela abastecem boa parte da grande cidade de Santo Domingo. Em resumo, esta Floresta Modelo impacta direta e indiretamente cerca de 3 milhões de pessoas.

 

Por mais de 20 anos, atividades de desenvolvimento agroflorestal com participação da comunidade foram implementadas nesta região, principalmente no município de Cotuí (Província de Sánchez Ramírez). Posteriormente, esta experiência foi replicada em Villa Altagracia (província de San Cristobal), Bayaguana (província de Monte Plata), El Valle (província de Hato Mayor), Nagua e província de Duarte. Neste contexto, destaca-se o caso da Associação dos Produtores de Zambrana, que graças à autogestão realizada, uniu cadeias produtivas, conseguindo de forma organizada formar um modelo de produção que vai desde o plantio de árvores, uso, transformação e comercialização, destacando-se como um caso exemplar de Manejo Florestal Sustentável na América Latina e Caribe, de acordo com um trabalho realizado pela FAO a pedido da Comissão Florestal para a América Latina e o Caribe em 2010.

Associação

O órgão de maior autoridade na Floresta Modelo Colinas Bajas é a Assembleia Geral, composta por todos os seus membros (aproximadamente 130 atores). Dentre essa diversidade de atores, podem ser contados como principais:

  • Associações e Federações de pequenos produtores
  • Universidades que atuam na região
  • Delegações ministeriais na região
  • Empreendedores privados, basicamente do setor rural
  • Ecoturismo empresarial e micronegócio
  • ONGs locais e regionais com presença na região

 

Na Assembleia Geral é eleita uma diretiva, composta por cinco membros institucionais. Esta, por sua vez, elege um Diretor Executivo, que lidera a entidade entre as Assembleias. O Conselho de Administração é quem elabora o Plano Estratégico a cada 5 anos e delega atividades aos seus membros.

Outra informação