Atlántida
4039
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-4039,bridge-core-2.6.2,qode-page-transition-enabled,ajax_fade,page_not_loaded,,vertical_menu_enabled,qode-title-hidden,side_area_uncovered_from_content,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-24.7,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,qode-wpml-enabled,wpb-js-composer js-comp-ver-6.5.0,vc_responsive,elementor-default,elementor-kit-4560

Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas Ligando territórios, ligando pessoas

Atlántida

Dados Gerais

  • Nome: Floresta Modelo Atlântida
  • Localização: Departamento de Atlántida na costa norte de Honduras
  • Superfície: 437,000 Ha
  • Ano de filiação à RIFM: 2006
  • População: 320,000 habitantes

Informação de contato

  • Nome: Melvin Cruz
  • E-mail: mcruz@maderaverde.org.hn

Introdução

A Floresta Modelo Atlántida (FMA) é a primeira das quatro Florestas Modelo em Honduras, promovida pela Administração Florestal do Estado (atualmente ICF) e com o apoio da FAO, Cooperação Canadense e Cuso Internacional.

 

Incluindo quatro áreas protegidas nacionais, 13 ecossistemas naturais e os principais refúgios de vida selvagem, o departamento de Atlántida é uma área de grande riqueza biológica, compreendendo parte do Corredor Biológico Mesoamericano.

 

Atualmente a FMA não cumpre os 6 princípios de uma FM, dados os atuais baixos níveis de participação dentro dele.

 

A FMA tenta garantir a sua personalidade jurídica desde 2007, mas até à data não conseguiu fechar o ciclo neste processo crucial, que os membros do Conselho de Administração consideram necessário para avançar. Isto fez com que, enquanto organização, ficasse automaticamente excluída de inúmeras possibilidades de financiamento, afetando a sua capacidade de mobilização de recursos e capacitação na gestão financeira. Um quadro legal reconhecido pelo Estado e com transparência na gestão financeira e outros sistemas não só reforçará a imagem e identidade de uma organização, como poderá posicioná-la favoravelmente aos olhos dos potenciais doadores.

Paisagem

Atlántida é uma área de grande riqueza biológica que compreende parte do Corredor Biológico Mesoamericano, região que se estende do México ao Panamá, contendo 7% da biodiversidade do planeta e sendo classificada como Hotspot da Biodiversidade (Conservation International).

 

Aspectos biofísicos

 

A Floresta Modelo Atlántida (FMA) abrange todo o Departamento de Atlántida, no Litoral Norte do país. A área compreende aproximadamente 440.000 hectares de território, incluindo oito municípios, entre eles dois importantes centros urbanos da Costa Atlântica, La Ceiba e Tela. O relevo desta área é altamente contrastado: praias e áreas pantanosas predominam no litoral, margeando o Mar do Caribe, enquanto o interior é mais abrupto, coincidindo com a Sierra Cordillera Nombre de Dios.

 

Na área existem 13 tipos de ecossistemas naturais, predominando o sistema agropecuário e a floresta tropical latifoliada – caracterizadas por sua alta biodiversidade de flora e fauna. Várias espécies ameaçadas de extinção se refugiam nessas florestas, entre elas o Quetzal (Pharomachrus mocinno), a Anta (Tapirus bairdii) e o Jacuaçu (Penélope purpurascens). Também na Floresta Modelo existem mais de 200 espécies madeireiras tradicionais e não tradicionais, incluindo algumas de alto valor como o Mogno (Swietenia macrophylla) e o Cedro (Cedrela odorata). Conta ainda com quatro áreas protegidas e dois corredores biológicos.

 

Em relação ao uso sustentável da floresta, há:

  • 12 grupos florestais formados e ativos
  • Uso sob plano de manejo
  • Certificação em grupo pelo SmartWood FSC
  • Certificado de plantações florestais
  • Uso de espécies não tradicionais
  • Zona de Desenvolvimento Florestal Sustentável Atlántida-Colon

 

Aspectos sócio-culturais e econômicos

 

O território tem aproximadamente 320.000 habitantes, dos quais 95% são ladinos, e 5% pertencem a outras etnias (garifuna, pech, tolupan, miskita, lenca, chorti, tawaka). 70% da população é rural, enquanto os 30% restantes são urbanos. 58% vivem na pobreza e 27% em extrema pobreza. A renda média mensal per capita é de US$ 80, há 19% de analfabetismo e 34% de desnutrição infantil.

 

Entre as principais atividades econômicas estão:

  • Agricultura de subsistência
  • Agricultura intensiva de palmeira africana, abacaxi, melancia, cacau, banana, laranja, coco
  • Manejo florestal (colheita e/ou transformação)
  • Pecuária extensiva/intensiva
  • Pesca artesanal
  • Comércio

 

A área da Costa Atlântica é de grande importância para a população local, bem como para a população nacional e internacional. Os habitantes locais dependem dos serviços ambientais prestados pela floresta latifoliada Atlántida, como produção de água e sequestro de carbono. Uma porcentagem da população local também depende do recurso florestal local para realizar atividades econômicas, como a produção de madeira colhida sob planos de manejo, a produção de produtos artesanais não madeireiros da floresta e o desenvolvimento de empresas locais de ecoturismo.

 

A cidade de La Ceiba é considerada, segundo a atividade econômica, a terceira cidade do país, onde se concentra a atividade industrial do departamento, que inclui o agronegócio derivado da palma africana, abacaxi, laticínios, transformação de madeira, e com forte crescimento na indústria do turismo.

Associação

Até 2012, a FMA era composta por uma Assembleia Geral, que representa o órgão máximo de decisão e governo, e funciona como fórum de debate, coordenação e integração de esforços e intervenções. Também tinha seu Conselho de Administração, formado oficialmente por 12 organizações-membros, que compõem os cargos dentro da organização, incluindo Presidente, Secretário, Tesoureiro e Fiscal, descritos em seus Estatutos.

 

A FMA tem sido observada por alguns agentes como focada demais no nível institucional e insuficiente no nível comunitário. Há espaço para incorporar mais organizações que trabalham no nível de base e têm forte participação nas decisões, especialmente aquelas que trabalham sob a égide das organizações em rede que fazem parte do Conselho. Da mesma forma, há espaço para a incorporação de novos líderes influentes de diferentes setores que tenham o poder de influenciar mudanças positivas.

Sustentabilidade

Objetivos estratégicos

 

Quatro áreas estratégicas estão delineadas no plano estratégico 2007-2012 da FMA, incluindo:

  • Educação
  • Desenvolvimento produtivo
  • Gestão de Recursos Naturais
  • Fortalecimento institucional

 

Principais ações em andamento para atingir os objetivos

 

Um plano de ação realista para avançar os objetivos estratégicos da FMA e atrair o interesse dos doadores deve enfatizar o planejamento para uma base sólida de saúde organizacional, incluindo entidade legal formal, liderança definida e responsável, estrutura de governança forte e capacidade demonstrada de administrar os fundos.

 

Principais impactos gerados

 

A avaliação de 2012 descreve que a FMA fez alguns progressos notáveis em direção aos seus objetivos, especialmente nas áreas de gestão de recursos naturais, educação e desenvolvimento produtivo por meio do projeto Silvicultura Análoga.

 

Há um forte interesse de alguns dos parceiros em levar esses resultados adiante, engajar-se em novas iniciativas focadas na comunidade e priorizar iniciativas de fortalecimento institucional, como a revisão da estrutura de governança e planos para aumentar a visibilidade. Há um grande potencial para a FMA se tornar uma plataforma forte para promover o desenvolvimento sustentável na região da Atlántida.

 

No entanto, nos quase cinco anos desde que foi formulado pela primeira vez, a maior parte do Plano Estratégico da FMA não foi implementada e a motivação dos parceiros nas atividades caiu para níveis baixos. Não há um processo de implementação estabelecido, nem um entendimento dos órgãos executores comprometidos e responsáveis pela execução das diferentes seções
do Plano Estratégico.

 

Após essa avaliação, a FMV tomou a iniciativa de criar a FM com alguns dos membros da base e formou o que hoje é chamado de Plataforma de Governança Ambiental Atlántida, dentro do processo de negociação do Acordo Voluntário de Associação (AVA) do Plano de Ação FLEGT da União Europeia. Esta Plataforma funciona até hoje graças aos esforços da Fundación Madera Verde com alguns projetos do Programa UEFAO. FLEGT.

Outra informação